Pescador flagra cobra anaconda gigante na floresta amazônica

96

Muitas pessoas, só de mencionarmos, a palavra cobra, já sentem um frio percorrer pela espinha. Às vezes, só de imaginar esses animais, com corpo alongado e rastejante, de olhar fixo e cuja língua parece não se conter dentro da boca, até os mais destemidos sentem seu corpo paralisar por alguns segundos. Esse tipo de sensação é muito característica daqueles que têm ofidiofobia. Em suma, trata-se do medo extremos de serpentes.

E esse é um dos medos mais comuns entre as pessoas. Mas não pense vocês, que isso afete apenas os seres humanos. Muitos primatas também reagem, de maneira semelhante, em relação à presença intimidadora de uma cobra. Afinal, esses animais são constantemente ameaçados pelas serpentes, que, assim como eles, também costumam habitar as copas das árvores.

Há algum tempo, pescadores ficaram espantados ao avistarem uma cobra gigantesca, entrando em um pequeno buraco em meio à floresta amazônica. O espécime se tratava de uma cobra sucuri, popularmente chamada de Anaconda. De acordo com o pescador de 51 anos, identificado como Laudelino Fernandes, que foi quem avistou o animal, a cobra tinha cerca de 9 metros de comprimento.

O pescador não acreditou no que estava vendo. Dessa forma, Laudelino gravou um vídeo, para que depois ninguém o acusasse de estar contando uma “história de pescador”. De acordo com ele, o local exato do avistamento foi a região do igarapé Camaiuzinho, em Apuí, no sul do Amazonas.

Laudelino explicou ao portal G1 que, nas regiões próximas ao Rio Sucunduri, cobras de tamanho semelhante, à avistada por ele, são comuns. Esses animais costumam ser atraídos para esses lugares devido a criação de gado na localidade. As sucuris, devido ao seu tamanho, podem facilmente comer um bezerro inteiro. E, talvez, com algum esforço, até mesmo um boi.

Anaconda gigante

A bióloga da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Luciana Frazão, informou que o tamanho médio de uma sucuri adulta é de quatro a oito metros. Entretanto, alguns registros apontam que essas serpentes podem chegar a atingir 11 metros de comprimento.

“Elas são comumente encontradas em todo bioma da Amazônia, e o tamanho varia muito. Por questões de segurança, as pessoas ficam de longe e utilizam o zoom da câmera. O bicho acaba parecendo maior do que realmente é”, disse Frazão. Entretanto, a bióloga afirma que, somente pelas imagens capturadas por Laudelino, não é possível estimar o tamanho real e exato da cobra.

Além do mais, Frazão afirma que as sucuris costumam ser animais tranquilos e inofensivos. “O ser humano não é presa natural desses animais. Eles se alimentam de pequenos mamíferos, como capivaras, e até outros répteis. O ideal é manter uma distância segura, respeitar e não chegar perto por curiosidade”, alerta. A bióloga trabalha com biodiversidade e conservação de serpentes amazônicas.

Laudelino trabalha como pescador há quase 13 anos. E, ao longo de todos esses anos, ele encontrou diversas cobras com mais de seis metros de comprimento. De acordo com o pescador, ele não tem medo de se aproximar desse animais. Porém, revela que teme pela segurança de outros pescadores. “Tem perigo sim, sem dúvida. Ela pode engolir uma pessoa de 60 quilos, 70 quilos, com facilidade. O ideal é não incomodá-la. Ela não ataca tão fácil, então, é só deixar quieta e sair de perto”, orienta o experiente pescador.