Como seria o mundo se o dinheiro deixasse de existir?

436

1 101 600x400
Para muita gente, sair de casa com a carteira sem nenhuma nota é já é realidade há muito tempo. Mas não estamos falando dos casos de quem faz isso pela falta de dinheiro, mas sim pela opção de trocar as cédulas por dinheiro plástico, os cartões de débito e crédito. Apesar disso, viver sem notas em moedas não parece algo próximo de nossa realidade.

Ainda que pareça improvável, a Câmara dos Deputados do Brasil pretende discutir a questão na Comissão de Defesa do Consumidor. De acordo com o Projeto de Lei 48/2015, proposto pelo deputado Reginaldo Lopes, do PT-MG, as cédulas deveriam ser retiradas de circulação em todo o território nacional, sendo mantidas somente para registro histórico.

O deputado autor do projeto defende que o avanço da tecnologia faz com que o processo seja natural, além de tendência no mundo todo. Ele também defende que as transações digitais garantem muito mais segurança do que as com dinheiro físico, o que eliminaria algumas práticas criminosas recorrentes, como arrombamentos de caixas eletrônicos e assaltos a bancos e outros estabelecimentos comerciais.

O projeto ainda menciona que “terroristas, sonegadores, lavadores de dinheiro, cartéis de drogas, assaltantes, corruptos estariam na mira fácil do controle financeiro” e o governo economizaria milhões gastos na impressão das cédulas e transportes de valores.

Previsão

Ainda que a remoção das cédulas de papel pareçam um caminho natural da evolução de nossa economia e seja tentador visualizar esse futuro, as coisas não são tão simples. Na verdade, especialistas e teóricos já preveem o fim do dinheiro em sua forma física há cerca de 60 anos.

Com o crescimento dos cartões de crédito, moedas digitais e formas de pagamentos alternativas, as teorias surgem com cada vez mais força. Pode parecer que utilizar dinheiro de papel vai ser apenas algo do passado muito em breve, mas a partir de uma observação detalhada das evidências – bem como da relação psicológica que o ser humano desenvolveu com notas e moedas – é possível perceber que é bem prematuro vislumbrar o sumiço do dinheiro vivo.

Uma coisa curiosa, no entanto, é perceber que estamos num período de transição de realidades. Então, um mundo sem dinheiro de papel seria bem próximo de algo do passado, com pessoas carregando moedas e metais preciosos por todos os lados; ou do futuro, com pagamentos feitos por meio de dispositivos eletrônicos.

Possibilidades

No passado, antes da popularização do dinheiro de papel em nações importantes do ocidente, as moedas eram utilizadas para representar riqueza, assim como metais e pedras preciosas ou itens raros e valiosos. Numa provável volta ao passado, o sumiço das cédulas de papel poderia gerar mais produção de moeda e uma forma diferenciada de transações.

No entanto, o projeto de lei que vai entrar em discussão na comissão da Câmara, também considera o fim das moedas, o que nos deixa com uma possível alternativa restante.

No futuro, caminhos para a utilização de moedas eletrônicas, que já hoje conquistaram certa popularidade. Certamente você conhece conceitos como cartões de crédito e débito, cartões pré-pagos de transporte público, formas de pagamento por smartphone ou SMS, moedas digitais (como Bitcoin), etc. Com tantas opções, seria fácil imaginar um mundo em que as transações são feitas eletronicamente. Mas já vimos que não é bem assim.

Confronto de realidades

Não é à toa que o dinheiro físico já está com a gente por milhares de anos. Cédulas são fáceis de carregar, facilmente aceitáveis e confiáveis. Numa eventual queda de energia ou de sistemas eletrônicos que afetam dispositivos digitais, o dinheiro ainda é uma opção viável. Se alguém quer ter certeza que poderá fazer uma compra sem precisar contar com compatibilidade de cartões ou sistemas de pagamento, o dinheiro será aceito.

Considerando nossa realidade, seria difícil aceitar que o mundo funcionaria sem dinheiro. Mesmo com os avanços tecnológicos, alguns aspectos das cédulas ainda não são reproduzidos de formas digitais. Enquanto a tecnologia ainda teta criar esses sistema, ainda não podemos contar com isso.

Hong Kong é um dos poucos lugares do mundo em que o dinheiro eletrônico conseguiu sucesso em atividades rotineiras. O Octopus Card é um cartão inteligente que permite transações financeiras do dia-a-dia para pagamento de refeições, transporte público, contas e estabelecimentos comerciais em shoppings e outras lojas. Como é um cartão pré-pago, basta inserir a quantidade desejada e recarregar de forma ilimitada, quando precisar de mais dinheiro.

Ainda que o Octopus Card seja eficaz, no entanto, não foi capaz de eliminar o dinheiro tradicional, mas se apresenta como uma alternativa prática e viável para quem quer fugir das notas.

Será que algum dia poderemos viver num mundo sem dinheiro físico? De fato, seria bem prático, mas só de imaginar o caos gerado com uma falta de energia ou de internet, já dá saudade das notas antes mesmo delas terem ido embora, não é mesmo? E você, o que acha desse assunto? Conte para a gente na seção de comentários!

FONTE(S) Quora, BBC, Olhar Digital, Falando de Viagem