COMO ERA O TRABALHO DE UM MÉDICO DURANTE A PESTE NEGRA?

292

000001

A epidemia de Peste Negra foi um dos momentos mais problemáticos da humanidade e da história mundial. Também chamada de Peste Bubônica, a enfermidade matou cerca de 25 milhões de pessoas por toda a Europa em seu famoso surto.

No meio dessa situação, eram necessárias medidas que diminuíssem as perdas. Por isso, muitos médicos foram chamados ao trabalho. A maioria deles era de segunda linha, ou seja, tinham pouca ou nenhuma experiência e muito menos alguma comprovante da formação médica que os constituía habilitados para tal função.

Médicos na Peste Negra

10 40

Inicialmente, os médicos precisavam andar entre os atingidos pela Peste Negra e fazer a contagem do número de mortos. Foram 250 anos enfrentado a peste dessa forma, porém, sem muita eficácia. Até que no século XVIII, inventaram um traje de proteção para os médicos, pois a maioria deles acabava contraindo a doença.

Se você acha que esses médicos tinham apenas a missão de curar ou tratar desses pacientes, pode estar bastante errado. O trabalho era muito mais burocrático, na verdade. Isso porque eles, na maioria dos casos, eles só faziam as autópsias nos corpos e realizavam os últimos desejos dos mortos. Na prática, ninguém sabia muito bem como lidar com a doença.

Esses médicos andavam pelas ruas e cuidavam de todo mundo, independente da classe econômica. Naquela época, eles não sabiam ainda como a doença se espalhava, porém, eram adeptos da teoria do miasma. Essa teoria queria dizer que a doença se espalhava pelo cheiro fétido.

O uniforme

00000000000001

Charles de l’Orme, o médico-chefe de Luís VIII, inventou o icônico uniforme dos médicos, como o conhecemos, em 1619. “O nariz tem meio metro de comprimento, formato de bico, cheio de perfume. Sob o casaco, usamos botas feitas de couro marroquino (couro de cabra) e uma blusa de mangas curtas na pele lisa. O chapéu e as luvas também são feitos da mesma pele, com óculos sobre os olhos “, escreveu o próprio criador da roupa.

O objetivo final desse traje era não deixar o cheiro entrar de forma alguma, pois, acreditavam que essa era a forma de disseminação. O médico também usava um longo bastão, para se comunicar com os seus pacientes. Era uma forma de examiná-los mantendo uma distância que acreditavam ser “segura”, além de afastar os mais agressivos.

Muita gente naquela época, achava que a Peste Negra era um castigo de Deus sobre os homens, por isso a agressividade quando os médicos, muitas vezes vistos como enviados do Senhor, chegavam.

Tratamentos duvidosos

00000000001

Muitas vezes, os médicos da Peste Negra se meteram em tentativas de curas nada ortodoxas. Com a menor capacidade científica, eles cometiam atos realmente repugnantes. Como por exemplo, cobrir os bubões – caroços cheios de pus do tamanho de um óvulo encontrados no pescoço, nas axilas e na virilha – com excrementos humanos que provavelmente espalharam mais infecções. Eles também faziam sangrias para tentar retirar o pus dos ferimentos.

Acontece que essas e outras práticas, na maioria das vezes, só pioravam a situação e matavam os pacientes mais rápido. Hoje sabemos que a peste bubônica foi causada pela bactéria Yersinia pestis, que era transportada por ratos e que era muito comum em ambientes urbanos. Apesar disso, após a Peste Negra, houve mais um surto na década de 1920, nos EUA, porém neste, encontrou-se um tratamento simples por antibiótico.