7 hábitos mais pervertidos de algumas espécies

95

Você já viu algum filme, ou seriado, em que um casal tem uma super química? Geralmente, esse comportamento é conhecido como tensão sexual. E, sim, nós, seres humanos, sabemos muito bem disso. Sabemos muito bem quando ocorre e, principalmente, sabemos se devemos responder a essa energia ou não. No entanto, não somos os únicos seres que entendem sobre esse assunto. Essa tensão sexual também existe entre os animais, em especial nos de algumas espécies. E tem nome, viu? Chama-se comunicação química.

O conceito, por exemplo, pode ser exemplificado através do comportamento da abelha rainha que, em rituais de acasalamento, secreta uma substância que chama a atenção dos zangões, durante o voo nupcial. Essa comunicação ocorre para que os zangões possam fertilizar os ovos no momento ideal.

Safadinha? Que nada… conheça a nossa lista de animais que são super ‘ousados’ quando o assunto é: acasalamento. Se você achou 50 tons de cinza um filme quente demais, prepare-se.

1 – Girafas

Elas são animais enormes. A perna de uma girafa adulta pode chegar a ter 1,80 metros de comprimento. Já o comprimento médio da língua de uma girafa é de 50 centímetros. As fêmeas costumam se reproduzir pela primeira vez aos quatro anos, que é quando alcançam a maturidade sexual. Os machos demoram mais para amadurecer, e só começam a buscar uma parceira quando completam sete anos. Quando o macho quer chamar atenção da fêmea, sabe o que ele faz? Ele inclina o pescoço para acariciar o bumbum da fêmea. Sabe por quê? Para provar a urina da parceira. Isso ocorre porque o macho é capaz de detectar vários indicadores químicos, que indicam se a fêmea está preparada para acasalar.

2 – Hipopótamos

As espécies de hipopótamos comuns tendem a permanecer em grandes grupos de 15 ou mais indivíduos. Os grupos são usualmente compostos de fêmeas e crias de várias idades, com um macho dominante no controle. Os hipopótamos são agressivos e territoriais. Embora o hipopótamo se irrite facilmente na água com o rebanho, o pastoreio geralmente é feito de forma isolada. O macho dominante marca seu território, espalhando excrementos para os lados, batendo de leve o rabo sobre as pedras, arbustos e outros objetos. Tudo isso para garantir um romance. Se um hipopótamo fêmea demonstra interessa, ela se vira, levanta o traseiro para fora da água e o presenteia com uma ducha. Assim como os machos, as fêmeas também usam suas caudas para espalhar o amor. Lindo, né?

3 – Cobras

O processo aqui também é bruto, meu amor. Tudo começa com as fêmeas liberando substâncias químicas para atrair os machos para bem pertinho. Durante a cópula, o macho introduz o seu órgão reprodutor, chamado de hemipênis, na cloaca da fêmea, onde libera o esperma. Então, a fecundação acontece dentro da fêmea. E gente, esse processo pode ocorrer em grupo. Isso mesmo! Vários machos e fêmeas juntos.

4 – Baleias francas

As baleias francas passam o verão nos polos, onde se alimentam, e migram para águas tropicais mais quentes durante o inverno para acasalamento e procriação. Os machos competem pela reprodução, tentando impedir que outros se aproximem da fêmea. No entanto, não adianta nada, nadinha. As fêmeas são espertas e querem aproveitar o momento. Por isso, é comum as fêmeas acasalarem com vários machos. E várias vezes, tá? Essa coisa de rapidinha só existe no nosso universo.

5 – Peixe grunion

O grunion é conhecido por seu ritual de acasalamento incomum em que, nas marés muito altas, as fêmeas surgem em praias arenosas, onde cavam suas caudas na areia para colocar seus ovos. O macho então envolve-se em torno da fêmea para depositar seu esperma. Durante os próximos 10 dias, os ovos permanecem escondidos na areia. Com as próximas marés altas, os ovos se rompem e o jovem grunion é lavado para o mar.

6 – Besouro da espécie Julodimorpha bakewelli

Parece bizarro, mas é verdade. Os besouros machos da espécie Julodimorpha bakewelli sempre tentam acasalar com uma garrafa de cerveja. Quer dizer, tentam quando encontram uma, né? O processo foi descrito em 1983, por D. T. Gwynne e D. C. F. Rentz, em um artigo científico publicado na revista Austral Entomology.Vários machos realizaram voos em direção à garrafa de cerveja, colocando-se na parte lateral ou em cima desta, com a genitália exposta prontos para copular. Uma vez na garrafa, os besouros não se afastam e nem se movem, a menos que sejam incitados. Loucura, né?

7 – Ácaro vermelho

As fêmeas são maiores e possuem o abdômen com formato ovalado, enquanto que, nos machos, a extremidade posterior do abdômen é mais estreita. Vivem na parte inferior das folhas, em grande número, e tecem um “harém”, usando o próprio esperma. Então, a fêmea, deslumbrada com todo o trabalho, chega ali e senta em cima de um “pacote” de espermatozoides, chamado espermatóforo.