7 ALIMENTOS QUE VÃO TURBINAR A SUA MEMÓRIA

242

8 38

Alimentação saudável é uma busca mais constante nos tempo atuais. Ela pode trazer vários benefícios para nós mesmos. Combinada com exercícios físicos, ela faz com que nosso corpo se modele e fique com mais músculos. E apenas cortando alguns ingredientes, que podem ser prejudiciais, os aspectos da nossa saúde interna também melhoram.

Além disso, com uma alimentação saudável podemos melhorar também nossa memória. Segundo alguns estudos, é comprovado que alguns ingredientes têm mesmo um poder de melhorar o nosso cérebro. Se você é dessas pessoas que tem uma memória ruim e não sabe mais o que fazer para melhorá-la, listamos aqui alguns alimentos que podem te ajudar.

1 – Espinafre e brócolis

1 189

As hortaliças verde escuras têm várias substâncias que são boas para o sistema nervoso. Mas entre elas, o espinafre tem um destaque maior, porque ele tem luteína que é da mesma família dos carotenoides e contribuiu bastante para saúde do cérebro.

Segundo um estudo feito na Universidade de Illinois, as pessoas que consumiram mais luteína apresentavam uma memória e raciocínio mais afiados. Onde os cientistas apostam suas fichas é na alta capacidade antioxidante do composto. Além disso, a couve, a rúcula e os brócolis trazem quantidades de ácido fólico, o que reduz o risco de demências.

2 – Abacate

2 158

A polpa do abacate é concentrada com substâncias que têm várias funções e uma delas é blindar a massa cinzenta. A fruta é rica em vitaminas B6, B12, C e E, além de também conter selênio e outros compostos que são fundamentais para os neurônios. O abacate tem um alto teor de gordura, mas é gordura boa. Ela se chama monoinsaturada e protege as artérias e garante um fluxo sanguíneo melhor, inclusive para o cérebro. Os nutrientes aperfeiçoam as conexões entre os neurônios na rede de atenção dorsal do cérebro.

3 – Suco de uva

3 5

Os polifenóis, presentes no suco de uva integral, se consumidos em pelo menos 400 mililitros, melhoram a função cognitiva.”Os polifenóis penetram a barreira hematoencefálica, que protege o cérebro, e inibem danos ligados ao excesso de radicais livres”, conta a biomédica Caroline Dani, do Centro Universitário Metodista IPA, uma das autoras da pesquisa.

Se isso já não fosse bom suficiente, ele aumenta os nível de BDNF, que é uma proteína que estimula novas conexões entre redes de neurônios e que também renovam as células.

4 – Azeite de oliva

4 104

A presidente da Associação Paulista de Fitoterapia, Vanderli Marchiori, fala que existem substâncias no azeite, como o oleocantal, que reduzem o risco do Alzheimer. Mas não só disso se faz o azeite. Ele também tem gordura monoinsaturada e uma porção de antioxidantes.

O óleo impede a proliferação de beta-amiloides, que são estruturas que se associam à desnutrição dos neurônios e impedem suas comunicações, o que provoca o esquecimento. O que é sugerido pela nutricionista é uma colher de sopa de óleo extravirgem por dia.

5 – Chá

5 95

Essa bebida é feita com a erva Camellia sinensis, espécie que tem a epigalocatequina galato, ou EGCG. “É um potente antioxidante. E o chá verde contém ainda cafeína e L-teanina, entre outros compostos”, destaca a biogerontóloga, Ivana Cruz. Com essa mistura, o hipocampo é uma das principais regiões do cérebro que é associada à memória e ao aprendizado.

6 – Peixe

6 89

Salmão, atum, sardinha e outros peixes têm quem ser incluídos na dieta pelo menos duas vezes na semana. O que esses animais têm, além do fósforo, e que o faz ser um ótimo nutriente para o cérebro, uma vez que é rico em ômega-3. “O ômega-3 atua na conexão entre os neurônios, facilitando a plasticidade sináptica”, afirma a nutricionista Lara Natacci.

Essa gordura ajuda na produção de neurotransmissores e tem uma ação anti-inflamatória, o que deixa um caminho livre para as células do corpo se regenerarem.

7 – Nozes e castanhas

7 81

“Há uma forte relação entre a deficiência desse nutriente e o surgimento de problemas cognitivos durante o envelhecimento”, diz Hércules Rezende, nutricionista e neurocientista da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Segundo estudos, a ingestão desses alimentos interfere nas ondas cerebrais que retêm mais informações e que são responsáveis pelo aprendizado.

FATOS DESCONHECIDOS