Uma em cada 11 cidades do Brasil tem o mesmo nome

718

BomJesus_CidadeUma em cada 11 cidades do país tem em outro estado um município com o nome idêntico ao seu. São 505 das 5.570. É o que mostra um levantamento feito pelo G1 com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A cidade com mais homônimas é Bom Jesus . Cinco estados possuem um município com esse nome: três no Nordeste (PB, PI e RN) e dois no Sul (RS e SC). O número só não é maior porque não entram na conta as outras 15 Bom Jesus com algum sufixo no nome, como “da Lapa” e “da Penha”.

São Francisco e Santa Inês estão entre as cidades com quatro nomes iguais espalhadas pelo país. São 32 ao todo. Já Belém faz parte do grupo das com três exemplares (60 no total). Outros 408 municípios são “gêmeos”.

Não há cidades homônimas em um mesmo estado e, desde 1984, uma lei determina a consulta ao IBGE na criação ou na alteração para que um nome já existente em todo o Brasil não seja adotado.

cidades-homonimas (1)Para a professora Patrícia Carvalhinhos, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, uma das explicações para o alto número de cidades com nome igual é o modo de povoação.

“Na época do Marques de Pombal, por exemplo, havia uma política instituída de transformar nomes de aldeias indígenas em nomes de cidades portuguesas. Muitas dessas homônimas foram criadas assim, especialmente no Nordeste.” Ela ressalva, no entanto, que é preciso analisar caso a caso para se chegar à origem dos nomes.

O fenômeno não está restrito ao Brasil. Nos EUA, por exemplo, pelo menos 35 estados contam com um município com o nome Springfield (cidade-tema do seriado “Os Simpsons”).

Segundo Patrícia, que ministra a disciplina “Toponímia geral e do Brasil”, como não há uma proximidade territorial, é difícil que surjam problemas devido à semelhança, o que costuma ocorrer com ruas, por exemplo.

“A própria população desenvolve na oralidade artifícios para fazer a diferenciação. Quando se fala em Rio, por exemplo, todo mundo sabe que é Rio de Janeiro e não outra cidade precedida por Rio”, diz.

Sobre a campeã Bom Jesus  e as vice-líderes São Francisco, Santa Inês, entre outras, a professora da USP diz que muitas cidades surgiram em locais focos de devoção.

“Além disso, houve no Brasil uma tentativa de enfraquecer nomes indígenas, colocando um vocábulo católico, como uma catequização”, afirma Patrícia.

De acordo com o levantamento do G1, 543 cidades (ou 10% do total) têm um nome com os prefixos ‘santa’, ‘santo’ ou ‘são’.

Presidentes da República também são alvo de inspiração. Há uma Presidente Juscelino no MA e uma em MG, uma Presidente Dutra na BA e uma no MA, uma Presidente Bernardes em MG e uma em SP e uma Presidente Médici no MA e uma em RO. Espírito Santo e Tocantins também possuem uma Presidente Kennedy.

Às vezes, apenas uma letra diferencia os nomes, como Areia e Areial, ambos na Paraíba (PB). Existem uma Presidente Castelo Branco, com um “l’, no Paraná, e uma Presidente Castello Branco, com dois “l’, em Santa Catarina, que não entram na conta das homônimas.

Cidades ‘famosas’
O país conta ainda com homônimas de cidades famosas no mundo. É possível, por exemplo, conhecer Barcelona (RN), Buenos Aires (PE) e Nova Iorque (MA) sem ter que viajar para fora do Brasil. Também não é necessário tirar passaporte para visitar “países” como Equador (RN), Colômbia (SP), Costa Rica (MS), Macedônia (SP) e Tailândia (PA).

Patrícia diz que, nesses casos, a nomeação obedece a “diferentes critérios”. “Já vi uma reportagem com o prefeito de Nova Iorque dizendo que esperava que o nome impactasse no crescimento da cidade, como se houvesse uma relação mágica. Então pode existir uma vontade de vir a ser. Em outros casos, pode ser uma homenagem. No caso de Osasco (SP), o fundador, Antonio Agu, era da cidade de Osasco, na Itália, e quis fazer uma deferência à terra natal.”

Em Buenos Aires (PE), as referências estão por toda a parte. A cidade tem até dois times de futebol chamados River Plate e Boca Juniors.

Já em Barcelona (RN), o nome não tem nada a ver com a gêmea da Catalunha. Ele foi dado em razão de um seringal na Amazônia que havia recebido a denominação. Mas a prefeitura diz que professores de uma universidade espanhola já estiveram na cidade para estudar a homônima.

Entre os nomes de cidades no Brasil, a natureza também ganha destaque. Arco-Íris, Céu Azul, Flores, Lagoa, Mata e Cachoeira são alguns exemplos. Nomes excêntricos também não faltam, como Venha-Ver (RN) e Não-Me-Toque (RS).

Banco de nomes
Há três anos, o IBGE criou o Banco de Nomes Geográficos do Brasil. Além das cidades, há vilas, povoados e outros nomes geográficos do país com a história e um mapa cartográfico de cada um. Em processo de construção, ele já conta com 55 mil registros.

“O estudo dos processos de denominação e das origens e motivações dos nomes geográficos, bem como a valorização, preservação e divulgação do conhecimento sobre o conjunto de nomes geográficos de um país é uma grande contribuição para a soberania deste e para o conhecimento de sua cultura e história, contribuindo para uma maior autoestima de seus cidadãos”, afirma a pesquisadora Vania Nagem, do Centro de Referência em Nomes Geográficos do órgão.

Segundo ela, “é possível identificar padrões de produção econômica e até o tipo de vegetação existente em determinada época em determinado local”. “Como ilustração, dá para citar a grande variedade de nomes relativos ao tropeirismo ao longo das rotas dos tropeiros no Sul do Brasil, em São Paulo e em Minas Gerais.”

Patrícia, da USP, concorda que a importância do nome vai além. “É muito mais que um dado identificador, que é sua função primeira. Eu luto para firmar no Brasil o conceito de considerar o nome do lugar como uma herança cultural imaterial. Nele existe não apenas o modo como o povo enxergava aquele local há séculos, mas marcas de morfologia, de oralidade. É um patrimônio, como o folclore, a música”, diz. (Fonte: G1)

VEJA TAMBÉM

COMPARTILHAR