Por que pessoas com gigantismo morrem tão jovens?

500


Você já assistiu ao filme “Círculo de fogo”? Ele traz robôs gigantes que travam batalhas incríveis. Você já viu o aparecimento de novos deles em “Círculo de Fogo 2“? Aqui no site da Fatos Desconhecidos, nós já exibimos para você essas novas máquinas.

Robôs gigantes lembram um pouco as pessoas que têm gigantismo. De acordo com o médico especialista em Oncologia e Imunologia pela Universidade de São Paulo, USP, Dr. Drauzio Varella, o gigantismo é conhecido como acromegalia. Ele conta que a “Acromegalia é uma doença crônica provocada por excesso de produção do hormônio do crescimento (GH) na vida adulta, fase em que as cartilagens de crescimento já estão fechadas. Se ele for produzido em excesso na infância ou puberdade, antes do fechamento dessas cartilagens, a doença é chamada de gigantismo.

Sem tratamento, portadores de acromegalia podem evoluir para uma forma grave da doença, em que surgem complicações e as taxas de mortalidade são altas. Presença de diabetes, de doença cardiovascular e de hipertensão são fatores agravantes do quadro.

A causa da acromegalia é a produção exagerada do GH e do IGF-1 (Insulin Growth Factor). Em 98% dos casos, essa produção está associada à presença de tumores benignos na hipófise.

A doença é rara e acomete homens e mulheres indistintamente. Mudanças na aparência física que podem ser atribuídas ao processo de envelhecimento (crescimento de mãos e pés, alargamento da região frontal e da testa, queixo proeminente, espaçamento entre os dentes e perda dentária, aumento do volume do tórax, nariz, genitais e dos lábios);

* Espessamento da pele que se torna oleosa e propensa à acne;

* Sudorese abundante;

* Alterações respiratórias, cardiovasculares, gastrintestinais, metabólico-endócrinas, músculo-esqueléticas, neurológicas e oftálmicas.

Diagnóstico

A suspeita de acromegalia baseada no quadro clínico e na aparência física pode ser confirmada pelos exames que medem os valores dos níveis de GH e IGF-1 no sangue. Uma vez estabelecido o diagnóstico, a tomografia computadorizada e a ressonância nuclear magnética são exames indicados para detectar a presença de tumores na hipófise ou em outros locais do corpo.”

Os especialistas afirmam que pessoas portadoras de gigantismo morrem muito jovens. Por que isso acontece?

Segundo artigo publicado no portal uol, “são especificamente as razões que fazem as pessoas crescerem tanto que podem ter um papel em sua morte precoce. Tumores na glândula pituitária — que invoca a puberdade e produz hormônios — do cérebro podem causar gigantismo, que ocorre quando muitos hormônios do crescimento são produzidos durante a infância, e acromegalia, quando muitos hormônios do crescimento são produzidos já quando a pessoa é adulta.

Toda essa altura e hormônios do crescimento extras podem ter impacto no coração.” Em entrevista ao portal, Alexandre Vortmeyer, da Universidade de Indiana, conta que “Essa é a causa mais comum de morte nesses pacientes- insuficiência cardíaca. O coração é mais esticado para bombear sangue para essa pessoa gigante.”

Segundo um estudo publicado pelo portal uol, “o hormônio extra pode engrossar o coração, enquanto mantém as câmaras de bombeamento de sangue do mesmo tamanho.

O hormônio do crescimento também pode atrapalhar o funcionamento normal da insulina no corpo — várias pessoas que produzem muito hormônio do crescimento sofrem de diabetes. O tratamento para distúrbios do hormônio do crescimento geralmente exigem a remoção ou a diminuição do tumor da glândula pituitária por meio de cirurgia, medicação ou tratamento por radiação, uma opção recomendada (e não tão arriscada) que funciona cerca de metade das vezes, de acordo com alguns estudos.”

Você já ouviu falar de casos de gigantismo? Já viu nos noticiários alguém com essa doença perigosa? Mande seu comentário para gente!

FONTE(S) uol, ncbi, drauziovarella

COMPARTILHAR