PF e Funai investigam assassinatos de índios na fronteira

36

pf1Cinco agentes da Polícia Federal e um servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) já estão na aldeia Apiwtxa, no município de Marechal Thaumaturgo (AC), por causa de quatro líderes indígenas da Comunidade Nativa Alto Tamaya–Saweto, no Peru, que foram assassinados a balas na semana passada, em território peruano, quando se deslocavam com destino para participar de uma reunião contra a exploração ilegal de madeira na região.

A equipe, que não tem data para retorno,  vai investigar e prestar segurança na região de fronteira, pois as lideranças indígenas assassinadas tem forte ligação de parentesco com as lideranças da aldeia brasileira. Do outro lado da fronteira, autoridades peruanas também iniciaram as investigações sobre os assassinatos.

A região de fronteira localizada em Marechal Thaumaturgo sempre foi considerada bastante instável, principalmente pela ação de madeireiros e por ser famosa como rota dos narcotraficantes. A situação acarreta preocupação constante para os povos indígenas locais e um esforço contínuo para as instituições.

– O objetivo é garantir a segurança dos ashaninka e tranquiliza-los para que possam passar mais informações enquanto são realizadas as investigações – explicou uma fonte ao Blog da Amazônia.

Procurado pela reportagem, o coordenador em exercício da Funai em Cruzeiro do Sul, Jairo Lima, informou que todas as diligências estão sendo realizadas no intuito de garantir a presença institucional.

Em 2009, agentes da Polícia Federal passaram a operar num posto de Controle de Fronteira (Confron) em Marechal Thaumaturgo, região que tem sido palco de vários conflitos em decorrência da presença de narcotraficantes e madeireiros peruanos. O posto inaugruado pelo então diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, e pelo então superintendente da PF no Acre, Luiz Cravo Dórea, foi fechado recentemente.

O Confron operava na confluência dos rios Juruá e Amônea e foi construído com mogno apreendido e doado pelo Ibama. Além de ser uma das principais rotas do narcotráfico, a região abriga a maior reserva natural de mogno do planeta.

O mogno, também conhecido como aguano, caoba e mahogany, é uma das madeiras mais cobiçadas no comércio internacional. O Brasil, especialmente o Acre, perde milhões de dólares com o contrabando de mogno na região.

Madeireiros peruanos costumam invadir o território brasileiro para explorar o mogno e exportá-lo para países europeus como se fosse oriundo de áreas de manejo florestal no país vizinho.

Os indígenas peruanos Edwin Chota Valera, Jorge Ríos Pérez, Leoncio Quinticima Melendez e Francisco Pinedo participariam de uma reunião na aldeia Apiwtxa sobre estratégias de continuidade de ações de vigilância e fiscalização da fronteira, para impedir a ação de narcotraficantes e de madeireiras, que há muitos anos exploram ilegalmente a região.

Edwin Chota Valera, de 53 anos, era a principal liderança dos ashaninka no lado peruano da fronteira. Denunciava há anos a situação de vulnerabilidade a que estava exposta a etnia em decorrência da falta de apoio do governo peruano contra as ofensivas de madeireiros armados.

Os indígenas foram emboscados na Comunidade Nativa Alto Tamaya–Saweto, no departamento Ucayali, cuja capital é Pucalpa, a 230 quilômetros de Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade do Acre. Os ashaninka foram amarrados e baleados  na frente de seus parentes, nas cabeceiras do rio Tamaya, no distrito de Masisea.

Repúdio

A organização peruana Federação Nativa do Rio Madre de Dios e Afluentes (Fenamad) divulgou nota em que repudia os assassinatos dos líderes indígenas e critica a atitude indiferente das autoridades de Ucayali, que nunca responderam às reiteradas denúncias realizadas por Edwin Chota contra os saqueadores dos recursos naturais dentro de seu território ancestral.

De acordo com a Fenamad, os madeireiros seguiram atuando impunemente até assassinar o líder indígena. A organização denuncia o permanente abandono em que se encontram os povos indígenas por parte do Estado peruano, que sofrem violação sistemática de seus direitos, como a superposição de seus territórios ancestrais e saqueamento indiscriminado de seus recursos naturais, muitas vezes com o aval de autoridades corruptas.

A Fenamad exige da Policía Nacional a imediata captura dos assassinos e que as autoridades judiciárias lhes aplique todo o peso da la lei. A entidade pede ainda que o Estado peruano atenda e proteja de maneira efectiva e real os direitos dos povos indígenas. (Blog da Amazônia)

VEJA TAMBÉM

COMPARTILHAR