O que acontece com uma pessoa que tem alergia a água?

297

cats
Nosso sistema imunológico é o responsável por identificar e eliminar todas e qualquer substância que possa vir a prejudicar nosso organismo. Quando não há o correto desenvolvimento desse sistema, nosso corpo não consegue identificar o que é saudável e natural ao nosso organismo, causando uma série de problemas.

Agora, quando o sistema imunológico se torna hipersensível a um elemento, existem grandes chances de reações alérgicas serem desenvolvidas. Sabemos que a água é um elemento essencial à vida. E esse é um grande problema para as pessoas que possuem alergia a essa substância.

A alergia a água é conhecida, cientificamente como Urticária Aquagênica, sendo descrita pela primeira vez em 1964. Quando ataca, desenvolve o aparecimento de lesões na pele, sendo mais comum em mulheres que homens. Seus primeiros sintomas aparecem, principalmente, durante a puberdade. O período médio das lesões é de 10 a 50 minutos, sendo acompanhadas de coceira, inchaço e rubor.

Geralmente, a Urticária Aquagênica se associa a outros tipos de urticárias, como a causada pelo frio ou calor, e por picadas ou arranhões. Essa é uma condição rara, em todo o mundo foram diagnosticados menos de 100 casos. O que não é suficiente para estudos mais minuciosos da doença.

Apesar de a ciência ainda não saber porque a alergia a água acontece, hipóteses já foram levantadas. O que alguns cientistas acreditam é que a reação ocorre no contato entre a água e componentes da pele, como por exemplo o estrato córneo (parte mais externa da pele) ou glândulas sebáceas, que produzem e liberam substâncias tóxicas.

Essa é uma doença que não possuir cura, mas pode ser tratada com medicamentos anti-histamínicos, o que evita o aparecimento dos sintomas. Também podem ser usados cremes, na tentativa de criar uma barreira entre a pele e o contato com a água.

Embora seja uma condição rara, isso não quer dizer que não tenha afetado ninguém, na verdade, Rachel Wareick é uma dessas pessoas. A britânica conta que qualquer contato com água ou com seu próprio suor a fazem ter irritações doloridas inchaços e coceiras por todo o corpo, e elas podem levar horas para passar.

“É como se eu tivesse corrido uma maratona. Fico cansada e tenho que me sentar para recuperar a energia. É horrível, mas se eu chorar as coisas só pioram: minha cara incha.”

Apesar de nosso corpo ser composto de, pelo menos, 60% de água (o que significa que uma pessoa adulta, pesando 70kg tem, em teoria, 40kg apenas de água) a alergia a água só “ataca” quando a substância entra em contato com a pele externamente.

Rachel ainda conta: “Quando as pessoas sabem da minha condição, elas fazem perguntas do tipo ‘como você faz para comer ou beber?’ ou ‘como toma banho?’. A grande verdade é que você precisa aguentar a dor e seguir a vida.”

Atualmente, Rachel não é a única, portadora dessa doença. Katie Dell, uma galesa de 26 anos também não se vê muito feliz ao entrar em contato com água. Katie conta ter medo de assistir filmes tristes, que possam fazer ela chorar; e de sair em dias chuvosos. Não apenas, precisou abandonar seu trabalho como professa de dança, porque seu suor também lhe causa dor e aflição.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Esses são ótimos exemplos para começarmos a valorizar um pouquinho mais a água que tanto bebemos, não? Assim como nossos banhos (tanto no chuveiro quanto na piscina/mar). Encontraram algum erro na matéria? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

FONTE(S) biologiatotal, equilibrioesaude, g1

COMPARTILHAR