Nasa divulga vídeo completo da primeira caminhada do homem na Lua

384

aldrin-apolloO primeiro desembarque na Lua completa 45 anos neste domingo e agora você poderá assistir, em versão remasterizada, a todas as imagens dos astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin transmitidas ao vivo do solo lunar em 20 de julho de 1969. A Nasa acaba de divulgar o vídeo completo, que você pode checar no final do texto.

Em 2009, na comemoração dos 40 anos da Apollo 11, a Nasa havia divulgado alguns trechos dessa remasterização, feita pela empresa americana Lowry Digital. Agora temos o material completo da caminhada, baseado nas melhores versões que se pôde encontrar espalhadas pelo mundo.

Foram essas imagens que chegaram aos televisores de cerca de 1 bilhão de telespectadores (dos 3 bilhões de habitantes que a Terra tinha naquela época) e eletrizaram o mundo com uma nova realidade — a partir dali, todos sabiam que seres humanos podiam visitar e explorar outros corpos celestes. E o mais importante: voltar para contar a história.

FITAS PERDIDAS

Também são essas imagens que estavam contidas nas famosas fitas perdidas pela Nasa. Quer entender a história? Foi assim. Essas transmissões ao vivo eram geradas por uma câmera de TV levada à Lua presa do lado externo da espaçonave. Pelas exigências técnicas de portabilidade e confiabilidade para funcionamento no ambiente lunar, elas produziam imagens em preto-e-branco de baixíssima resolução. Mas esse era o único meio de transmitir a missão ao vivo. (Para ter imagens melhores, a Nasa despachou com os astronautas também câmeras de 16 mm, que operavam com filme fotográfico. Mas esse material só poderia ser exibido depois que os astronautas trouxessem o filme de volta e o revelassem, como de fato aconteceu. Aqui você tem todas as imagens em filme 16 mm da Apollo 11.)

Certo, voltando à tosca câmera de TV (instalada do lado de fora do módulo lunar, para filmar os primeiros passos de Armstrong, e depois retirada dali pelos astronautas para fazer um enquadramento panorâmico), ela enviava seu sinal para o módulo lunar por cabo e dali, por rádio, para a Terra. O sinal era captado por poderosas antenas espalhadas pelo mundo e redirecionado para o controle da missão, em Houston. De lá, as imagens eram refilmadas (com uma câmera apontada para um monitor) e transmitidas para o resto do mundo, ao vivo — a função primordial delas era esta. Em paralelo, a Nasa gravava a transmissão em suas próprias fitas magnéticas — em tese a melhor cópia possível das ditas imagens.

image1Isso era procedimento padrão, feito com todas as missões. Mas, naturalmente, a Nasa não tinha por que guardar todos esses vídeos velhos e de baixa qualidade de todos os voos. Adotou, portanto, a política de reciclar as fitas menos importantes, para reutilizá-las nas missões dos ônibus espaciais, a partir da década de 1980. Claro que eles não queriam ter se desfeito de nenhuma fita da Apollo 11, por conta de sua importância histórica. Mas quem é da era dos videocassetes e nunca apagou acidentalmente um programa, sobrepondo a gravação anterior sem se tocar que a estava perdendo, que atire a primeira pedra! Incompetência e fatalidade, e lá se iam os minutos iniciais da épica caminhada lunar.

Seria imperdoável se não houvesse tantas e tantas cópias dessa mesma imagem! Para se redimir, a Nasa saiu pelo mundo procurando as melhores versões. Encontrou-as na Austrália e na Nova Zelândia — ao vivo, só lá elas haviam sido vistas. Remasterizadas com técnicas para obter o máximo da antiga transmissão, elas estão agora disponíveis para todo o mundo ver.

No vídeo de cerca de três horas, podemos acompanhar na íntegra a primeira caminhada lunar da história — e a única da missão Apollo 11. Há alguns dias, por conta dos 45 anos do evento, perguntaram ao Buzz Aldrin se ele gostaria de ter ficado na Lua mais tempo. Ele respondeu: “Foi o suficiente.” Bem, este é o homem que, ao descer do módulo lunar, descreveu o que viu como uma “magnífica desolação”. No vídeo, vemos o controle da missão apressando o retorno dele ao interior do módulo lunar, para manter uma margem de segurança com o suporte de vida do traje.

Aliás, por falar em segurança, é interessante observar a cautela de Neil Armstrong ao descer do módulo, verificando primeiro a natureza do solo e o quanto o pé do módulo lunar afundou nele. Ao observar que o afundamento foi menor que o esperado, ele chega a descer até o pé do módulo e saltar de volta para o primeiro degrau. E se explica: queria ver se ele e Buzz teriam dificuldade de regressar ao interior da espaçonave. (Queria ver alguém dar um salto daqueles sob a gravidade terrestre, com ou sem câmera lenta!) Só então dá o “pequeno passo” e começa a trabalhar na superfície lunar. Ele observa o solo sob o módulo e também registra que o motor-foguete não produziu uma cratera sob si durante a descida.

Mais tarde, Buzz se junta a ele e os dois instalam quatro experimentos e colhem 23 kg de amostras. Não se afastam mais que 100 metros do módulo lunar em nenhum momento — para o caso de surgir uma emergência, nunca se sabe. Atendem a um telefonema do presidente americano, o infame Richard Nixon, e evitam a todo custo olhar diretamente para o Sol. Mas tudo transcorre com tranquilidade e os dois voltam à Terra cobertos de glória, após cumprir os objetivos dessa primeira missão.

REGISTRO

É um bocado de vídeo velho e de má qualidade, mas os entusiastas irão se deleitar com a versão completa. Como bônus, confira essa incrível sequência de fotos da preparação da missão. E não se esqueçam de aderir à campanha que Aldrin está promovendo nas redes sociais usando a hashtag #Apollo45.

Já aos conspiracionistas de plantão, eu sugiro que pulem direto para os 51 minutos, logo depois que Neil e Buzz, com muito esforço, conseguem fincar e ajustar a bandeira americana no solo lunar. Uma vez estabilizada, ela tremula? Não! Fica absolutamente estática. Aliás, fantasmagoricamente estática, com um engruvinhado na porção inferior do tecido que eu nunca vi acontecer em nenhum lugar onde eu tenha estado aqui na Terra. POR: SALVADOR NOGUEIRA (Mensageiro Sideral)

VEJA TAMBÉM

COMPARTILHAR