“Ela é um amor. Sempre me atende quando ligo”, diz Kesha sobre Taylor Swift

47


Kesha, autora de um dos maiores álbuns pop do ano, estampou a capa da revista “Rolling Stone” desse mês e falou sobre uma variedade de assuntos na entrevista, como sua amizade com Taylor Swift, o desesperador transtorno alimentar que a fazia passar fome e seu período em reabilitação.

Embora tenha se recusado a falar sobre o processo contra o produtor Dr. Luke, Kesha contou sobre o apoio que teve de colegas de profissão. Adele, por exemplo, prestou solidariedade no palco durante uma premiação e Taylor Swift chegou a fazer uma generosa doação de 250 mil dólares à amiga, para ajudar com as despesas jurídicas.

Ainda sobre Taylor Swift, Kesha revelou: “Ela é um amor. É muito, muito querida e genuína, extremamente generosa, atende o telefone toda vez que eu ligo. Nem a minha mãe me atende toda vez!”

Segundo Brian Hiatt, o entrevistador, ao falar sobre seu distúrbio alimentar, Kesha se emocionou, mas se mostrou resolvida: “Não tenho mais nada a esconder. O bonito, o bom, o ruim, o feio, nada. (…) Eu achava que não devia comer comida. E quando eu comia, ficava com vergonha de mim mesma. Eu me forçava a vomitar e pensava: Nossa, não acredito que fiz essa coisa horrível. Eu não mereço comer comida.” A cantora complementa: “Quanto mais doente eu ficava, mais as pessoas diziam que eu estava bonita, que eu devia continuar o que estava fazendo.”

Kesha letrasApós diversas crises, ela se internou em uma clínica de reabilitação para mulheres e conta que compôs diversas músicas enquanto estava lá, depois de conseguir convencer a administração do local a deixá-la usar um teclado à bateria: “Não era permitido usar teclado com fio porque eles não queriam me dar acesso a nada que facilitasse suicídio. Eu disse que respeitava a decisão deles, mas que eu precisava de algum instrumento musical, senão minha cabeça ia explodir! Eu estava com muitas músicas na cabeça.” Kesha podia usar um fone de ouvido durante uma hora por dia com supervisão.

Seu novo álbum, “Rainbow”, é muito pessoal e permite que os fãs entendam a trajetória pela qual Kesha passou até conseguir voltar a cantar e a se expressar. A entrevista completa pode ser conferida no site da versão americana da revista Rolling Stone

COMPARTILHAR