Como era o Brasil antes do descobrimento?

653

0-65
Oficialmente, os primeiros europeus chegaram ao Brasil em 1500, ainda que existam relatos de visitas anteriores a isso, por portugueses, espanhóis e outros povos. Por aqui, foram encontrados tribos indígenas que não registravam a história em documentos escritos e não tinham relatos de como era a vida por ali antes da chegada dos colonos. O que sabemos hoje sobre os índios dessa época é baseado inteiramente em relatos de europeus que visitaram os povos.

O modo de vida dos índios foi observado por muitos que chegaram aqui no início da colonização portuguesa, principalmente o alemão Hans Staden e o francês Jean de Lery, que narraram suas observações em livros sobre as tribos. Eles relataram aspectos da vida indígena desde costumes simples, como alimentação e vestes, até mais complexos como organização da sociedade e comportamento religioso.

Em 1500, a estimativa é de que houvesse milhões de índios no Brasil – os números variam entre um e cinco milhões –, sendo os Tupi e Guarani os de mais destaque, já que tiveram mais contatos com o homem branco. Os tupis porque viviam nas regiões da costa do país que compreende o Ceará até uma parte de São Paulo. Já os guaranis, viviam no litoral sul e em áreas do interior próximas às bacias dos rios Paraná e Paraguai.

Costumes

As tribos indígenas se baseavam em hábitos como caça, pesca e agricultura para sobreviver. Ainda que plantassem, nem sempre ficavam presos a um território migravam para regiões após alguns anos consumindo os recursos de alguma região.

Suas residências eram construídas coletivamente, abrigando cerca de 100 moradores, podendo variar para 80 em ambientes menores ou até 140 em maiores. Várias famílias dividiam o ambiente e o conjunto de ocas podia formar aldeias de 600 a 700 habitantes, dependendo das condições de segurança da área e dos recursos do território. A conexão entre diferentes aldeias era feita por meio de trilhas que ligavam uma a outra, além de ligar as tribos ao litoral e interior do país.

A alimentação das tribos era semelhante, feita basicamente de farinha de mandioca, peixe, mariscos e carne. Os índios também utilizavam diferentes temperos e conheciam técnicas de fermentação das bebidas alcoólicas. Eles também utilizavam equipamentos com base nas fibras das matas, produzindo cordas, cestos, peneiras, esteiras, redes, abanos de fogo, etc.

Sociedade

Nas tribos, as funções eram divididas de acordo com o sexo. Homens realizavam tarefas que envolviam guerra, agricultura, caça e construção das ocas. Paras mulheres, ficavam funções como cuidar da família, semear e colher as plantas, cozinhar e tecer peças de roupa.

As famílias eram classificadas como importantes de acordo com o número de homens. Cada uma delas tinha um líder, que formavam um conselho comandado por um chefe de tribo. Laços entre famílias e tribos eram fortalecidos por meio dos casamentos.

Para funções de saúde ou espiritualidade, pajés ou xamãs eram referência. Eles comandavam rituais mágicos em situações ligadas à épocas de plantação, caça, guerras ou lutos. Os índios costumavam acreditar na vida após a morte e realizavam rituais de passagem para as almas dos mortos. Além disso, algumas tribos praticavam a antropofagia como forma de ritual para a viagem espiritual, reverenciar espíritos de antepassados ou vingar membros mortos.

Atualmente, existem cerca de 460 mil índios vivendo no Brasil segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), dos cinco milhões de índios da época do descobrimento do país.

FONTE(S) Educação

COMPARTILHAR