Bruno Mars fala sobre discriminação racial para a revista “Latina”

226


Bruno Mars é capa da nova edição da revista Latina e concedeu uma entrevista falando sobre discriminação racial e a perda da mãe.

Durante o bate-papo, o cantor aproveitou para esclarecer rumores de que ele nega sua descendência porto-riquenha. “Eu nunca disse que mudei o meu sobrenome para esconder o fato de que sou de Porto Rico. Por que eu diria algo assim? Quem vocês querem enganar? Por que alguém diria isso? Isso é um insulto para mim e minha família. O nome do meu pai é Pedrito Hernandez, ele é porto-riquenho. Não tem como negar isso”, disse.

O músico ainda continuou, “Meu pai me apelidou de Bruno quando eu tinha 2 anos. A história verdadeira é que eu iria ser lançado como Bruno, um único nome. O Mars é uma brincadeira sobre algo que soa maior que a vida. Simples assim”.

Mars também comentou sobre as discriminações que estão rolando atualmente nos EUA. “Odeio que estamos tendo a mesma conversa sobre a injustiça nos EUA. Estamos tendo essa conversa em 2017 sobre algo que é falado há várias décadas”.

O artista ainda falou sobre a ‘black music’. “Quando você fala música negra, eu entendo que estamos falando de rock, jazz, R&B, reggae, funk, doo-wop, hip hop e Motown. Os negros criaram tudo isso. Sendo de Porto Rico, até a salsa tem sua raiz na Terra Mãe [África]. Então, no meu mundo, música negra quer dizer tudo”, afirmou. O dono do sucesso “24k Magic” declarou que mescla vários ritmos em suas canções por influências destes gêneros.

Na entrevista, Bruno Mars também falou sobre sua mãe, falecida em 2013. “Minha vida mudou. Ela é muito mais do que minha música. Se eu pudesse trocar minha música para tê-la de volta, eu trocaria. Eu sempre a ouvia falar ‘continue, continue'”, disse.

COMPARTILHAR