Apostas para o Grammy 2017: Quem ganhará e quem merece ganhar

283


A 59ª edição do Grammy Awards, a premiação mais importante do mundo da música, ocorre em dois dias, e o Vagalume já fez suas apostas.

Em uma das edições mais concorridas dos últimos anos, as categorias principais trazem fenômenos da música com históricos impressionantes no evento, tornando a competição bastante acirrada e imprevisível.

Nem sempre aqueles que ganham são os maiores merecedores; isso não quer dizer que não mereçam o prêmio, apenas que existe um artista que o merecia mais. Por isso, separamos nossas apostas entre o que achamos que será o resultado, e o que desejamos.

ÁLBUM DO ANO

“25”, Adele;
“LEMONADE”, Beyoncé;
“A Sailor’s Guide To Earth”, Sturgill Simpson;
“Views”, Drake;
“Purpose”, Justin Bieber

Quem vai ganhar: “25” – Adele
Quem merece ganhar: “LEMONADE” – Beyoncé

Não – Adele não merece levar para casa o gramofone de “Álbum do Ano” em 2017. “25” vendeu 20 milhões de cópias pelo mundo, revelou o mega sucesso “Hello” e rendeu a primeira turnê mundial de verdade da britânica, mas não é o melhor disco nesta categoria. Sturgill Simpson e seu violão também fizeram um álbum mais merecedor, mas a única resposta correta para a pergunta “Qual foi o álbum do ano de 2016” é “LEMONADE”.

Enquanto Adele já tem um gramofone nesta categoria por sua primeira indicação (o realmente, realmente merecedor “21”), Beyoncé foi indicada outras duas vezes com “I Am… Sasha Fierce” e “BEYONCÉ”, e em ambas as ocasiões perdeu para roqueiros – desta vez, salvo Simpson, todos os seus concorrentes também são artistas do mainstream, e nessa corrida de igual para igual, a americana deveria ser a vencedora.

Apesar de Beyoncé também ter um histórico impressionante nos Grammys, Adele se encaixa mais no padrão dos eleitores, e provavelmente levará esta categoria. Simpson é a única ameaça para as duas cantoras, já que seu álbum com certeza levará a categoria “Melhor Álbum de Country” e o gênero ainda tem grande força entre o comitê da premiação.

CANÇÃO DO ANO

“Hello”, Adele;
“Formation”, Beyoncé;
“Love Yourself”, Justin Bieber;
“7 Years”, Lukas Graham;
“I Took a Pill In Ibiza”, Mike Posner

Quem vai ganhar: “Hello” – Adele
Quem merece ganhar: “Hello” – Adele

Não existem muitas dúvidas nesta categoria, focada em honrar o trabalho de composição das faixas. “7 Years” e “I Took a Pill In Ibiza” são baladas emocionantes, sucessos do ano passado, mas nada comparado ao icônico “hello” de Adele que vem à nossa mente toda vez que a palavra é mencionada. Algo parecido com “Hello”, de Lionel Richie, que também foi indicada nesta categoria em 1985.

“Formation” se destaca muito mais por sua produção (vocal, instrumental, visual – veja a próxima categoria), e então temos “Love Yourself”, a única real concorrente de “Hello”. Co-escrita por Ed Sheeran, que levou o gramofone nesta categoria no ano passado pela balada “Thinking Out Loud”, a canção tem a maior chance de tirar o prêmio da cantora britânica. Com sua letra ambígua e inteligente, pode ser que Bieber leve seu primeiro Grammy – mas a aposta continua em Adele e aquele épico refrão.

GRAVAÇÃO DO ANO

“Formation”, Beyoncé;
“Hello”, Adele;
“7 Years”, Lukas Graham;
“Work (Feat. Drake)”, Rihanna;
“Stressed Out”, twenty one pilots

Quem vai ganhar: “Formation” – Beyoncé
Quem merece ganhar: “Work (Feat. Drake)” – Rihanna

Ninguém se esforçou tanto para ter a música do ano como a Queen B. “Formation” foi lançada em fevereiro do ano passado (mês escolhido para homenagear a história da população negra dos EUA), sua primeira performance aconteceu no Super Bowl para 10 milhões de pessoas, seu clipe causou tanta polêmica que incentivou movimentos como o “Black Lives Matter” e da causa feminista, seus versos incluem frases que estampam qualquer tipo de produto imaginável, sua produção é assinada pela própria cantora em parceria com o renomado Mike WILL Made It.

“Formation” merece ganhar pelo impacto que causou na cultura pop, pela produção afiada, pela voz de Beyoncé e as harmonias que a acompanham entre os versos e refrões. Mas é inegável que Rihanna e o fenômeno “Work (Feat. Drake)” também mereciam uma chance aqui. “ANTi'”, o maravilhoso oitavo álbum da barbadiana, foi esnobado nas categorias principais do Grammy este ano a não ser por esta categoria, e a cantora merece o reconhecimento pelo trabalho bem feito. Afinal, o disco só concorre em “Melhor Álbum Urban Contemporâneo”, e “LEMONADE” levará essa tranquilamente.

É claro que Adele sendo Adele também pode levar essa categoria; já “7 Years” e “Stressed Out” não têm a mesma chance (apesar de já estar mais do que na hora de o duo twenty one pilots ganhar o merecido reconhecimento da indústria musical por um trabalho sempre excepcional).

ARTISTA REVELAÇÃO

Chance The Rapper;
Kelsea Ballerini;
Maren Morris;
The Chainsmokers;
Anderson Paak

Quem vai ganhar: Chance The Rapper
Quem merece ganhar: Chance The Rapper

Maren Morris seria a escolha óbvia desta categoria: cantora, compositora, queridinha do country, disco aclamado pela crítica. No entanto, a indicação de Kelsea Ballerini pode dividir os eleitores especialistas no gênero, fazendo com que as chances de ambas as artistas sejam anuladas.

Então, ficamos com The Chainsmokers – sucesso de público mas não de crítica -, Anderson Paak – sucesso de crítica mas ainda fora do mainstream -, e Chance The Rapper, que equilibra os dois lados com mais de dois milhões de seguidores no Twitter, shows com ingressos esgotados pelo mundo, e dois álbuns super elogiados pela crítica especializada. Só de ter conseguido a indicação sendo artista independente já é sinal de que este Grammy possa continuar a maré de “bençãos” que atingiu o astro do hip hop no ano passado.

COMPARTILHAR