Aos 18 anos, Priscilla do “Bom dia & cia” quer voltar à TV e prepara CD

239

05_1Priscilla Alcântara quer voltar à TV após um ano e meio fora do ar. A apresentadora, que cresceu em frente às câmeras ao lado de Yudi Tamashiro no comando do infantil “Bom dia & cia” nas manhãs do SBT, também prepara um CD com músicas gospel. Em um bate-papo com o EGO, ela faz um balanço da carreira, conta como lida com o assédio e seus planos para o futuro. “Estou com 18 anos mas nem parece, continuo do mesmo tamanho de quando tinha 10 (risos). Agora vou tirar minha habilitação, lançar meu quarto CD, com músicas gospel, e tenho um projeto para voltar à TV até o fim do ano”, enumera.

Priscilla gosta do gênero gospel desde que começou a cantar na igreja que frequentava com os pais, aos 2 anos. “Meu sonho era gravar um CD, mas a TV veio antes. Lancei o primeiro álbum aos 11 anos, depois um infantil e um terceiro. Agora, para o quarto, já estou planejando parcerias com cantores gospel. A ideia é que seja algo que vá além da religião, leve uma mensagem de amor para todo mundo, que faça bem para a alma com uma pegada de pop rock”, explica.

priscilla_alcantara_-_foto_sbt_4Fama cedo

Antes de ficar sete anos e meio à frente do “Bom dia & cia”, Priscilla chegou a se destacar no exterior, aos 8 anos. “Ganhei o concurso ‘Código fama’, apresentado pelo Celso Portiolli, e fui com a minha mãe para o México concorrer com crianças de outros países da América Latina. Foi uma experiência boa, passei um mês lá e consegui ser bem vista, terminei em quarto lugar. A Televisa (emissora mexicana) queria que eu continuasse por lá, mas não tivemos coragem. Ganhei fãs no México antes de ser famosa no Brasil e até hoje vira e mexe tem gente de lá que acompanha meu trabalho nas redes sociais e no meu canal do Youtube”.

Priscilla reconhece que passar as manhãs apresentando o programa infantil marcou sua carreira. “Já faz um ano e meio que deixei o ‘Bom dia & cia’, mas o assédio continua, isso é muito bom. Até hoje tem gente que não sabe meu nome mas me chama de ‘menina do Playstation’ (um dos prêmios que ela e Yudi ficavam gritando o nome junto com as crianças, que participam até hoje por telefone). Não fico brava, eu me divirto também, acho muito engraçado. Sempre vou ser lembrada como ‘a menina do Playstation'”.

Priscilla recorda com carinho essa fase. “A gente esquecia que era um programa de TV e levava a brincadeira para o ar. Todo dia praticamente pagávamos algum mico. E criança não tem trava na língua, se não gostou do presente fala, chora, a gente tinha que saber lidar”.
A apresentadora fala também sobre alguns questionamentos que ouve do público. “As perguntas que eu mais ouço são ‘por que você não me sorteou?’ e ‘Você namora o Yudi?’. Não, gente! Passamos muito tempo juntos desde pequenos, somos como irmãos. Agora a gente mantêm menos contato, mas comentamos nas redes sociais um do outro”.

06_1Coração

Mas se Yudi não é o eleito de Priscilla, quem seria? Tímida, a moça afirma que não tem namorado. “Estou solteira. Sou caseira, não sou de ir à balada. Recebo muita cantada, mas não sei lidar com isso, dou tchau e sigo”, afirma.

Crescendo na TV

A rotina nesse período teve momentos puxados. “Cheguei a trabalhar de segunda a segunda, então tinha que conciliar tudo, deixar avisado na escola quando ia faltar e remanejava horários, até porque ir bem na escola era uma das condições para continuar no ar”, conta ela, que se virava para dar conta de tudo. “Sempre tive ajuda dos amigos, dos professores, estudava à noite, de madrugada, dava um jeito. Mas não tive um momento ‘cansei’. Me sentia muito à vontade no que fazia, tinha prazer”, garante.

Priscilla avalia como foi crescer diante das câmeras. “Minha infância foi diferente de todas as outras crianças mas não teve essa de trocá-la pelo trabalho, consegui conciliar muito bem. Levava a Barbie para o estúdio e brincava com todo mundo. A TV é muito mágica mas ao mesmo tempo muito ‘fake’, estar na mídia pode deslumbrar, mudar sua cabeça de uma hora para outra. Mas se você tem uma boa base familiar isso não acontece. Meus pais me ensinaram a ter os pés no chão, isso é crucial na carreira de qualquer pessoa”.

Retorno

A apresentadora quer voltar ao ar ainda este ano. “Tenho um vínculo muito grande com os pais e as crianças e quero retribuir esse carinho e surpreender com um programa jovem, bem irreverente com muita música, vários convidados e temas, com formação para os jovens e as crianças. Hoje a TV foca muito em Ibope e falta conteúdo, algo que agregue realmente, que a família inteira possa assistir. Não vamos fazer tudo pela audiência, vamos tentar fazer a arte pela arte com muita alegria. O projeto está pronto e estamos apresentando às emissoras de canal aberto”.

As informações são do EGO

VEJA TAMBÉM

COMPARTILHAR