7 práticas de caça às bruxas que ainda acontecem no século 21

64

O termo caça às bruxas não é estranho para nós. Ou já ouvimos falar sobre nas aulas de História ou em filmes e séries. A caça foi na verdade uma perseguição religiosa contra pessoas que praticavam heresias e vários decretos ordenavam a morte dos praticantes de magia negra, ocultismo e até de curandeiras e benzedeiras.

Milhares de pessoas foram mortas nessa caça. No entanto, o que se pensava ser algo de séculos atrás acontece ainda hoje. Alguns países ainda caçam bruxas pelos mais diversos motivos.

Confira agora aonde ocorrem a caça às bruxas da modernidade.

1 – Gana

No Gana, muitas pessoas acusam outras de feitiçaria, apenas como uma forma de resolver disputas. O país inclusive tem 8 santuários/prisões para aqueles que são acusados de bruxaria. No entanto, algumas acusações tem um fim trágico e algumas pessoas são mortas.

2 – Quênia

A caça às bruxas parece não ter fim no Quênia, situações esporádicas são relatadas vez ou outra ao longo dos anos. Um dos últimos casos chocantes acabou na morte de 11 pessoas, oito mulheres e três homens com idade entre 80 e 96 anos. Todos acusados de bruxaria. Essas pessoas foram arrastadas para fora de suas casas e queimadas vivas, assim como suas casas também foram incendiadas. O motivo da caça foi um livro encontrado em uma escola local que continham atas de uma “reunião de bruxas”.

3 – Índia

A caça às bruxas também é uma realidade cruel na Índia. Alguns estados registram mais mortes e prisões por bruxaria que outros. Este é o caso de Assam, que entre 2001 e 2006 registrou 300 ocorrências do tipo. O medo do misticismo tem causado não só a morte de centenas de mulheres por todo o país, como também tem aumentado significativamente o número de crianças órfãs e sem-teto.

4 – Nepal

O Nepal é uma país onde a crença em bruxas não é algo raro, no entanto, mesmo assim há inúmeros casos de caça às bruxas. As mulheres de castas mais baixas, acusadas de bruxaria frequentemente são espancadas, torturadas e humilhadas por grupos que se formam. Em algumas situações essas mulheres são assassinadas, no entanto, na maioria das vezes, elas são libertadas. Após dias e dias de tortura e humilhação.

5 – Arábia Saudita

Nem mesmo uma das nações mais ricas do mundo lida bem com a feitiçaria. As acusações podem ocorrer não só por parte de pessoas, como também pelo próprio governo. Quando a pessoa é considerada culpada a maioria das sentenças resulta na morte dos acusados.

6 – Papua Nova Guiné

Na Papua Nova Guiné, a magia branca não só é permitida, como também é considerada uma prática legalizada por lei. No entanto, uma outra lei, criada em 1970, sentenciava a 2 anos de prisão todos aqueles que fossem pegos envolvidos com magia negra. No entanto, a atitude parece não ter sido suficiente para a população que começou a praticar atos de tortura, como forma de punição, por conta própria.

Em 2013, quatro mulheres foram torturadas e uma delas decapitada por ter sido acusada de magia negra. No entanto, o real motivo era porque elas estavam economicamente melhores que seus acusadores. Muitos crimes semelhantes a esses já foram registrados. Felizmente, também em 2013, o país revogou a lei da magia negra e definiu o assassinato de bruxas acusadas, como crime por assassinato.

7 – Tanzânia

A Tanzânia é de longe o pior país em relação à caça às bruxas. Só no século XXI, computa-se que mais de 20 mil pessoas já foram assassinadas, acusadas de bruxaria. No entanto, não apenas bruxas são caçadas. Pessoas acusadas de serem homossexuais, também são alvo dos assassinatos. Quanto às acusações de bruxaria, os principais alvos são mulheres idosas. As “justiças coletivas” ou grupo de pessoas que assassinam essas mulheres as estrangulam, esfaqueiam ou as queimam vivas.

COMPARTILHAR