7 mitos sobre o papa que todo mundo acredita

112

O supremo pontífice, ou como é mais conhecido, Papa, é o líder da Igreja Católica no mundo todo. A Igreja Católica é uma das instituições religiosas mais antigas do mundo. Ao longo das eras, muitas foram as histórias, mitos e rumores que surgiram em relação a seus representantes.

Teorias da conspiração e lendas fazem oposição para a imaculada imagem que se criou sobre o homem que está a frente de um legado de centenas de anos. Pensando nisso, hoje, listamos para vocês alguns desses mitos e equívocos que acabaram sendo criados e que alimentaram o imaginário das pessoas por muito tempo. Confira!

1 – O papa é infalível

Bom, apesar de ser a maior autoridade dentro da igreja, o Papa continua sendo um ser humano e bom, como todos sabem, todos erramos. No entanto, a questão do Papa ser infalível é bastante mal interpretada. Segundo o Catholic News, a infalibilidade papal significa que o papa não deve ser contestado quando falar em erros. Especialmente em casos em que ele esteja falando sobre a doutrina da fé ou da moral.

2 – O papa é um tipo especial de ordem sagrada

Na verdade, segundo Loyola Press, existem apenas 3 níveis de participação na ordem sagrada: o bispo, o padre e o diácono. Dessa forma, qualquer outro “ofício” que se ouvir falar, como arcebispos ou cardeais, resumidamente, são apenas bispos ou padres de alto escalão (ou categorizados de forma distinta).

Seguindo essa ideia, o Papa, não seria uma classe especial separada de todos os outros servidores de Deus. Ele seria uma espécie de bispo de mais alto nível. De fato, seu título oficial é bispo de Roma. E logo, sua diocese seria Roma.

3 – O papa é sempre celibatário

Apesar do celibato ser algo que todos imaginam na vida de um membro que serve a igreja (católica), há algumas evidências de que alguns papas tinham vidas sexualmente ativas. O portal Live Science contou que o Papa Júlio II teria tido uma amante e um filho. Assim como Alexandre VI teve diversas amantes e entre 7 e 10 filhos.

4 – A pessoa mais santa viva

Quando falamos de alguém tão importante quanto um papa, quase que automaticamente nossa mente o santifica. Mas isso nem sempre foi assim. Em especial, durante a idade média. Um artigo produzido pela Time, trouxe a tona alguns nomes que não eram “toda bondade”. Bonifácio VIII, era basicamente um ditador. Clemente V teria recebido propinas, cobrava impostos opressivos e colocou países uns contra os outros. Sergio III deu um golpe e teve um filho ilegítimo que acabou se tornando papa. Bento IX foi descrito como repugnante.

5 –  O chapéu do papa diz que ele é o anticristo

Diversas teorias da conspiração tentam alegar que o papa seja o anticristo. Isso apoiado em uma afirmação/evidência de que seu chapéu teria a inscrição “VICARIVS FILII DEI“, ou “Vigário do Filho de Deus”. Supostamente, se somados, os algarismos romanos na frase resultariam no número 666.

No entanto, como mostrou Patrick Madrid, em seu livro Pope Fiction, “VICARIVS FILII DEI” não é um de seus títulos. Ele é chamado de  Vicarius Christi, ou Vigário de cristo. E baseado na somatória anterior, o resultado é 214. Bem longe do “número da besta”.

6 – Uma lista de papas apontam o fim do mundo

Um livro chamado Lignum Vitae, publicado em 1595, que conta uma história da Ordem Beneditina dos Monges, faria uma profecia a respeito dos próximos papas. Segundo o livro, o atual papa seria o último e ele, supostamente, supervisionaria o fim do mundo. Mas há uma pequena – grande – falha em toda a história. O papa descrito no livro deveria se chamar Pedro, o Romano, e não Francisco, o Argentino.

7 – O papa possui documentos escritos por alienígenas e por Jesus

Em 1612, o Vaticano começou a reunir alguns “arquivos secretos” e que ficaram vedados ao conhecimento publico até 1881. Mesmo após este período, tais documentos só podem ser acessados por acadêmicos católicos. Há muita especulação sobre o conteúdo desses arquivos. Alguns afirmam que eles se tratam de evidências de vida alienígena, demônios ou que eles teriam sido escritos por Jesus.

No entanto, um grande erro de tradução teria feito toda a confusão. De “arquivo secreto” para “arquivo privado” muita coisa aconteceu. Em 2012, o Vaticano abriu para o grande público 100 desses documentos, onde constavam informações pessoais de outros papas, transcrições dos julgamentos dos Cavaleiros Templários, cartas, entre outros papéis.

FATOS DESCONHECIDOS

COMPARTILHAR