7 antigos padrões de beleza absurdos que não têm explicação

113

Os padrões de beleza existentes na sociedade são, na maioria das vezes, cruéis. Isso acontece porque a maioria das pessoas se idealizam dentro destes padrões e não consegue se enquadrar neles, saindo frustradas e decepcionadas. Para conseguir lidar com essas “regras” e com a frustração de não alcança-las é preciso entender que não é necessário segui-las para ser feliz. Para se chegar a essa compreensão mais facilmente, é saudável que se entenda como esse sistema funciona e como ele funcionou ao longo da história. Os padrões de beleza mudam com frequência, e o que era lindo há 100 anos atrás, talvez não seja tão bem visto hoje em dia.

Quando olhamos para trás e observamos a mudança do belo ao longo dos séculos – e também milênios – descobrimos vários padrões que são realmente difíceis de entender. Alguns truques usados no passado para manter uma pessoa bonita e atraente são, sob os olhares da atualidade, são bem bizarros. Se você acha que só existem “vítimas da moda” hoje em dia, está na hora de descobrir que nesse quesito o passado também pode ter sido bem sombrio. Listamos 7 padrões de beleza do passado absurdos que não têm explicação.

1 – Batom de insetos e formigas

No Egito, o batom era uma ferramenta de beleza feminina extremamente popular. Quase toda a população usava, menos os mais pobres. O objetivo era proteger os lábios do sol, e não simplesmente a beleza como hoje em dia. Apesar de ter ingredientes usados na produção, com o tempo passou a ser comum o uso de insetos e formigas com carmim na confecção de batom vermelho. Esse batom vermelho de insetos era o preferido da Cleópatra.

2 – Poulaines pontiagudos

O comprimento dos dedos dos pés era diferenciado para partes da população. Enquanto príncipes usavam sapatos com dedos de até 30 polegadas, a aristocracia usava os de 25 polegadas, os urbanites de 0 polegadas e as pessoas simples, 5 polegadas. Por causa dessas “regras”, uma pessoa conseguiu mostrar seu status apenas com a ajuda de seus sapatos. A igreja chamava os poulaines pontiagudos de “garras de Satanás” e chegou a amaldiçoá-los.

3 – Roupas “Stuffed”

Na época da rainha Elizabeth I, era comum que os homens usassem roupas extremamente inchadas, principalmente nos ombros, dando a impressão de que eles eram fortes e viris. A intenção era causar respeito entre os outros. Para encher as roupas, eles colocavam até serragem. Imagine como devia ser “confortável” se movimentar com esse look? Enquanto os homens enchiam as mangas, a área do peito, da barriga e até das meias, as mulheres faziam isso para realçar o busto, os ombros e os quadris. Eram as Roupas “Stuffed”.

4 – Cosméticos radioativos

Em 1998, os cientistas Pierre e Marie Curie descobriram o rádio radioativo. Pouco mais de 30 anos depois, no início da década de 1930, surgiram nos mercados vários produtos de beleza que continham o material radioativo incluído na mistura. Os produtos, na maioria das vezes, vinham com a promessa de uma pele mais bonita e lisa. O que as autoridades da época não sabiam é que o rádio radioativo poderia fazer extremamente mal ao corpo humano.

5 – Penteados altos

No século 18, na Inglaterra, surgiram os Macaroni. Eles eram homens obcecados pela moda que se vestiam e falavam de modo afeminado. Ninguém sabe ao certo a origem desse nome, porém, algumas pessoas associam ao prato de mesmo nome ou ao fato de que jovens gostavam de viajar pela Itália e trazer amor pela massa para a pátria. O destaque do visual eram os cabelos extremamente grandes, para cima. Os penteados eram tão altos, que para colocar ou tirar um chapéu só era possível através da ponta da espada.

6 – Unhas extremamente grandes

Há alguns séculos atrás, as unhas extremamente grandes eram super populares entre a aristocracia chinesa. As unhas serviam como um símbolo de riqueza, que mostrava que a pessoa não precisava trabalhar duro no campo. As unhas grandes e os adereços eram bastante populares na dinastia Qing – como mostra a foto acima, da Imperatriz Cixi. Hoje em dia, se você passear pela China, talvez encontre alguns homens com unhas grandes, porém, nada comparado ao tamanho usado no passado.

7 – Pernas pintadas

Durante o período da Segunda Guerra Mundial, houve um défict de nylon para a produção de meia-calça para as mulheres da época. Como andar com as pernas à mostra era considerado obsceno, muitas pessoas encontraram uma outra saída: pintar as pernas das mulheres da cor das meias de nylon. Apesar de após o fim da guerra o costume ter sido instinto, no período até os salões de beleza começaram a oferecer o serviço de pintura.

E aí, o que você achou dessa lista? Conhece outros padrões bizarros? Comenta aqui com a gente e compartilha essa matéria nas suas redes sociais. Para você que não pinta nem o cabelo, ainda mais as pernas, aquele abraço.

FATOS DESCONHECIDOS

COMPARTILHAR